terça-feira, 13 de novembro de 2018

Musik in der Nacht

Guten Abend Freunde!

Um pouco de música na noite...







Bis Morgen!!









Käthe Kruse Puppen - Bonecas Käthe Kruse

A evolução dos brinquedos e o início de sua história tem relação com  as práticas das sociedades em torno do mundo, dentro dos vários período históricos. No Brasil, quem não lembra das bonecas de espigas de milho e das "bruxinhas de panos" feitas por mães zelosas
Existiam as bonecas de porcelanas, acessíveis somante a uma parcela das crianças e não para todos, mas isto não significa que estas ficariam sem bonecas  e demais brinquedos - geralmente feitos de maneira artesanal. Mesmo assim as bonecas de porcelanas não eram muito apropriadas para o manuseio infantil.
Quem já ouviu falar de Käthe Kruse Puppen? Desconhecíamos - mesmo tendo fotografado uma, sem saber, na cidade de Trombudo Central. Logo a apresentaremos.
Quem nos falou pela primeira vez sobre Käthe Kruse Puppen foi Dona Alda Niemeyer, personalidade relevante na história regional e que atualmente conta com mais de 98 anos de idade e que, na sua infância brincou com bonecas Käthe Kruse Puppen.
A menina Alda Schlemm Niemeyer
"As duas Käthe Kruse-Puppen que sobraram para nós.  Uma delas servia para experiências médicas e foi "operada". Minha mãe salvou o que podia ser salvo!!! Todas as outras, que foram 4 ou 5 para cada uma de nós, minha vó deu para minha prima, quando fomos para Alemanha. Sumiram. Alda Niemeyer"
Bonecas Käthe Kruse da infância de Dona Alda Niemeyer

A Käthe Kruse  -  na Alemanha,  tem estas bonecas nas vitrines, como Modepuppen. Alda Niemeyer
Quem foi Käthe Kruse?

Na terra dos irmãos Grimm, o mundo das crianças sempre foi mágico e cheio de fadas e duendes e o encantamento deste mundo, muitas vezes, não permitia que a criança interna desaparecesse do adulto, com é o caso da jovem Käthe Kruse - criadora da boneca Käthe Kruse Puppen que tornou-se uma tradição da Alemanha e no mundo,  uma referência - até os dias atuais.
Käthe foi a maneira carinhosa e íntima que os amigos e familiares chamavam Katharina Simon, nascida  na cidade alemã  de Breslau no dia 17 de setembro de 1883, atualmente pertencente a Polônia.

Breslau  - Breslávia
Robert Rogaske - Acervo do
Casal Käthe Kruse e
Max Kruse
Link: Digiporta
Katharina Simon era filha de Robert Rogaske com Christiane Simon e viveu sua infância somente com a mãe que era costureira. Sua mãe Christiane Simon cresceu em uma fazenda ao sudeste de Breslau quando foi expulsa de casa. Partiu para a cidade de Breslau, onde passou a exercer a atividade de costureira. Christiane ficou grávida de Robert Rogaske, homem de posição privilegiada dentro da cidade e bem casado Não pretendia, e não assumiu sua responsabilidade, quanto soube da gravidez de Christiane e no momento, que a filha que chegou. 
Christiane negou-se a entregar o seu bebê que foi batizada de Katharina Simon. "Ela e sua filha contra o resto do mundo" - dizia.  A vida das duas foi marcada pela pobreza e privações - principalmente, na infância de Käthe Kruse. Seu pai, que era o contador chefe da cidade, lhe visitou em alguns momentos de sua vida e lhe ofereceu algum apoio material, mas não o suficiente e também não foi presente.
Mãe e filha - Katharina - Käthe construíram uma estreita aliança de proteção e confiança mútua.
Em depoimentos posteriores e entrevistas, Käthe Kruse falava sobre a relação suave e alegre que existia entre ela e sua mãe. Dizia que os homens seduziam as mulheres, alimentavam seu espírito com promessas e partiram e quando ficava a criança, não sabiam e não podiam competir com a felicidade da mulher no papel de mãe - depoimento em sua autobiografia publicada em um livro.







Apesar de sua boa relação com sua progenitora, registrou em sua autobiografia que não teve uma juventude bonita. Sua mãe lhe ensinou muito cedo, que cada um é responsável por sua própria felicidade e conquistas e pode fazer tudo sozinho. Foi a motivação que a fez  buscar o que desejava para a vida - ser atriz.
Estudou nas escolas públicas de sua cidade  e quando tinha 16 anos fez aulas de teatro e com 17 anos, seguiu para a cidade de Berlin, quando foi contratada e começou a atuar no Lessing Theater - ano de 1900



Käthe e Max
Fez sucesso e com a Companhia de Teatro e também se apresentou nas cidades de Varsóvia e Moscou com o nome artístico de Hedda Somin. No ano de 1902 conheceu e se apaixonou por Max Kruse, 30 anos mais velho que Käthe Kruse, escultor famoso casado, cenógrafo e autor de livros infantis, com quem se relacionou e não se casaram logo de início. Käthe Kruse passou a ser a jovem mãe dos 4 filhos pequenos de Max que foi descrito em biografias, ser um professor de temperamento difícil e que queria, acima de tudo, tranquilidade. O casal teve mais 4 filhos - somando 8 filhos. Käthe Kruse era uma mãe amorosa e dedicada.
Família Kruse


Bonecas de porcelanas - de acordo com Max Kruse
 eram mini adultos com rostos frios.
Max Kruse tinha o perfil reservado e não aceitava comprar as "bonecas horríveis" que comercializavam no mercado para suas filhas o que despertou em Käthe Kruse o desejo de fazer as sua próprias bonecas - macias, infantis, com fisionomia munidas de personalidades através de detalhes. Jamais fez isto para vender e ganhar dinheiroKäthe Kruse foi uma mãe incrivelmente amorosa e apaixonada pelo marido.
Em dezembro de 1902 nasceu sua primeira filha  - Maria Speranza (Mimerle).







A família mudou-se para o sul, mesmo que Max continuasse trabalhando em Berlin. Em 1905, com as crianças, Käthe mora por um tempo em Ticino, em Ascona - Itália em uma colônia de artistas locais. As meninas pedem bonecas a mãe  - tipo de bonecas de porcelana, mas o pai Max, mesmo longe, não aprova e as acha horríveis para as crianças. Dizia que eram "mini-adultos" com rostos frios de porcelana. Não aprovava o brinquedo para suas filhas.
Käthe Kruse resolve brincar e fazer uma boneca para suas filhas, uma vez que não adquiria as "horríveis" bonecas de porcelana
A primeira boneca que confeccionou para suas filhas foi feita a partir de uma toalha cheia de areia com a cabeça feita de batata. Este foi o início.
Gradualmente Käthe confecciona a clássica Käthe Kruse Puppen. Observa detalhes pequenos que fornecem as características de suas bonecas, as quais permanecem até o tempo presente. 
Käthe observa, por exemplo, a afirmativa de que "a mecânica não se dá muito bem com movimentos naturais". Suas bonecas não possuem membros articulados. O corpo é feito de tecido, é macio e quente ao toque e ao abraço. No início do Século XX - isto era a quebra de um paradigma - hoje é natural e existem muitas bonecas com esta característica.
Observando as novas idéias sobre a educação das crianças, na época, Käthe aprimorou suas bonecas. O que era isto? Através da boneca, procurava-se promover a curiosidade, a fantasia, o lúdico - o desejo de imitar a criança e não, o adulto. A criança passou a ser uma personalidade independente. Em 1909, Max e Käthe se casam e ela já tinha dado a luz a três filhas.
No ano de 1910, a loja de Departamentos de Berlin - Hermann Tietz (Hertie) e que talvez conhecessem os Kruse, convida Käthe Kruse a participar da exposição de Natal "Toys from own hand". As bonecas de Käthe atraem os visitantes e toda a atenção e muitos desejam ter uma boneca. O primeiro pedido é feito a Käthe e encomendam 150 bonecas.
Hermann Tietz (Hertie)


Warenhaus Tietz (rede de lojas de departamento fundada por Hermann Tietz )
Após o pedido grande de 150 bonecas feito em Berlin - no ano de 1910, Käthe precisava confeccionar  as bonecas e as fez dentro de seu próprio apartamento em Berlin, em situação não muito confortável com a o auxílio de algumas ajudantes. As primeiras bonecas eram muito simples, mas depois, se tornaram mais vivas. Käthe aperfeiçoou seus métodos de produção e começou a modelar as bonecas. Sua naturalidade (em comparação com a variedade comercial) logo a tornou famosa.  Os pedidos aumentaram e o hobby tornou-se negócio.



As bonecas de Käthe - as Käthe Kruse Puppen são bonecas com rostos de crianças, de aparência simples e com corpos de tecido de algodão macio. Käthe  mencionou em sua autobiografia - The Great Puppet Show que "a boneca tem que ser algo para se amar."





No ano de 1912, a família mudou-se de Berlin para Bad Kösen e foi inaugurado o seu ateliê de bonecas na cidade - atual Saxônia-Anhalt. Foram criados novos modelos de bonecas - todos feitos artesanalmente - como eram feitas as primeiras bonecas, como também, foram feitos bonecos soldados e uniforme cinza e bonecas de vitrine.
Estourou a  2° guerra Mundial, na qual também Dona Alda Niemeyer, junto de sua mãe e irmã, ficaram sem poder voltar para o Brasil - "presos" na Alemanha e onde permaneceram durante toda a guerra. Para ver sobre este fato - Clicar sobre: Alda Niemeyer - Período da 2° Guerra Mundial e seu trabalho na Cruz Vermelha
Duas personagens da História no mesmo cenário social político e ao mesmo tempo, tão distantes.
Alda Niemeyer na Cruz Vermelha
 Alemanha
Durante a  2° Guerra, enquanto Dona Alda trabalhava na Cruz Vermelha, Käthe Kruse não conseguia o material necessário para fazer suas bonecas e seu negócio parou. Um de seus filhos morreu em batalha e Käthe teve sua fábrica fechada, sendo proibida de fazer bonecas.  Um segundo filho morreu em batalha e seu marido, morreu no ano de 1942 - períodos pesados.
Após a guerra, as fronteiras mudaram e foi impossível retomar a produção de bonecas na zona ocupada pelos russos.
Em 1952, sua empresa tornou-se uma Volkseigener Betrieb. Com dois de seus filhos, ela reiniciou as oficinas de fabricação  de bonecas nas cidades de  Bad Pyrmont e Donauwörth - onde tem um museu de suas bonecas. Conseguiram até estabelecer-se na República Federal. Käthe Kruse desenhava as bonecas ainda fabricadas de maneira artesanal - mas por conta de sua saúde - não acompanhava mais a produção.
Viveu seus último anos - morando com sua filha mais velha, Maria - em München - Baviera.


Atualmente, as bonecas da Käthe Kruse Manufactory, na cidade de Donauwörth ainda são feitas à mão. O corpo é feitos com musselina e recheados com pêlos de rena, ou têm, um esqueleto de fio interno coberto com malha. As cabeças são feitas de tecido, papel maché ou poliestireno e pintadas à mão. Muitas têm perucas de cabelo real ou mohair. Ao longo dos anos, sua filha e sucessora, Hanne Adler-Kruse, introduziu novos itens feitos de veludo. 
Em 1990, a empresa foi vendida para Andrea e Stephen Christenson, que mantiveram as tradições da empresa. Em 2013, a empresa foi adquirida pela Hape Holding AG de Lucerne. Dentro desta nova empresa, continua o trabalho artesanal, mas perdeu um pouco  da magia do trabalho  de sua criadora. As bonecas perderam um pouco de sua alma. Observamos que, também, não se tem mais o cuidado de vestir as bonecas como criança - fato importante nas bonecas feita por Frau Kruse - as bonecas tinham a imagem de criança e não de adulto.
As atuais Käthe Kruse. 





Assista a confecção da boneca na firma atual - no vídeo
O perfil de mãe amorosa, sua vocação para o artesanato, sua fidelidade para com aquilo que achava correto e a visão para os negócios fizeram de  Käthe Kruse uma empresária de sucesso. 
Käthe Kruse partiu no dia 19 de julho de 1968. 

Käthe Kruse falando sobre suas bonecas

Boneca que fotografamos em Trombudo Central - não é uma Käthe Kruse Puppen,
mas lembra muito - talvez uma inspiração na arte de Frau Kruse. 
Algumas de suas bonecas preservadas ainda nos dias atuais...














































Um sonho!


Leitura complementar - Clicar sobre um dos títulos:



Em Construção!