segunda-feira, 30 de abril de 2018

Maibaum Rödelsee 2018 - Tradição que sobrevive às diferenças religiosas e a tecnologia - por séculos

Maibaum Rödelsee 2018
Rödelsee - Ano 2013
Estivemos na cidade de Rödelsee - Alemanha - em 2013, quando acompanhamos pela primeira vez a instalação do Maibaum na cidade
Esta cidade mantém intercâmbio cultural e social continuo e permanente, com a cidade de Blumenau e região - através de grupos culturais e trabalhos sociais. Isto acontece, atualmente, pelos laços de amizades que surgiram a partir do primeiro encontro entre pessoas de Rödelsee e blumenauenses, durante a visita do Winzerkapelle Rödelsee no Oktoberfest Blumenau 1988 - há exatos 30 anos. 
Winzerkapelle Rödelsee pela 1° vez  em Blumenau - 1988


Como já mencionamos, em 2013, foi a primeira vez que acompanhamos de perto as festividades e o ritual do Maibaum - e pesquisamos sobre o assunto e a festividade que reporta o tempo anterior a chegada dos cristãos à região - era portanto, uma prática pagã. Naquele momento percebemos que não era somente uma prática da cidade de Rödelsee, pois vimos Maibaum nas praças de inúmeras cidades da Alemanha, por onde passamos dentro de um trajeto de 4 mil Km.
Maibaum em Rödelsee - Ano 2013
Maibaum em Rödelsee - Ano 2013
Abaixo, algumas imagens em vídeo daqueles momentos, feitas por nós. O dia estava chuvoso e frio e mesmo assim, o ritual prosseguiu, como rege a tradição.

Vídeos



Relembrando um pouco sobre a origem do Maibaum...

A primavera começa a exibir as suas cores mais exuberantes, época das primeiras colheitas e do amor são celebrados no mês de maio no Velho Continente - há centenas de anos - independentemente da religião vigente.
Nos primeiros tempos, existiam inúmeros rituais, entre eles, o da fertilidade e outros carregados de simbolismos, como o Maibaum ou Árvore de Maio, com que se dá boas vindas ao mês da fertilidade, da colheita e da vida. Eckehart Spengler, perito nos ritos de maio, explica que, dentro da religião primitiva dos romanos, antes do cristianismo chegar, as manifestações entre os romanos eram dirigidas à deusa Maia, deusa romana da fertilidade. Também deveria existir uma prática semelhante entre os antigos germanos e na sua mitologia, pois cultuavam as árvores, uma vez que manifestações da natureza ocorriam nesta região. O resultado, de maneira resumida, foi que entre a Páscoa e Pentecostes - do cristianismo - era hábito saudar a primavera com música e instalar na praça central o Maibaum - Árvore de Maio, representando a Árvore da Vida. 
Ulli Hess - 2013

Para ler mais sobre - Clicar sobre a postagem: 

Após 5 anos transcorridos, após a primeira vez que vimos e registramos o ritual da Maibaum na cidade de Rödelsee, recebemos registros fotográficos de Ulli Hess da cidade de Rödelsee, que nos "presenteou" com imagens inéditas do levantamento do Maibaum, no dia de hoje - dia 30 de abril, na cidade e, ao contrário do evento de 2013, o evento aconteceu em um dia claro, de sol, que todos apreciam  e aproveitam estar ao ar livre,  sentir o sol e a natureza - interagindo e festando ao ar livre com famílias amigas, lembrando igualmente, da prática do Stammtisch.

Maibaum de Rödelsee 2018
Fotografias - Ulli Hess
Ulli Hess - 2018


Rödelsee - 2018

Rödelsee - 2018




Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018



Rödelsee - 2018

Rödelsee - 2018

Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018


Rödelsee - 2018
Rödelsee - 2018

Rödelsee - 2018














Maibaum - Tradição que sobrevive às diferenças religiosas e a tecnologia - por séculos - dentro de um mesmo território.



Grüße an die Freunde von Rödelsee - von den Freunde von Blumenau.
Grüß  Gott.





Leituras Complementares - Clicar sobre o título escolhido:













sábado, 28 de abril de 2018

Entrevista - Nelson Tomio - Rio do Sul SC - Troca do modal Ferroviário para o Rodoviário

 Nelson Tomio - Rio do Sul SC 
Quem está aguardando para embarcar em um ônibus no Terminal Rodoviário de Rio do Sul SC, quase sempre é surpreendido por uma voz bem pausada e "desenhada"anunciando as partidas e chegadas de ônibus, desejando sempre "Boa viagem" com tanta sinceridade e prazer naquilo que faz, que intuímos a presença de uma história com "lastro" que não faz parte da história oficial. A voz do anúncio pertence a Nelson Tomio, que conta com 69 anos de idade.
Nelson Tomio nasceu na cidade de Rio do Sul no dia 20 de julho de 1949 no seio de uma família de descendentes trentinos - bisneto de Egídio Tomio - imigrante de Trento. Em 1949, Rio do Sul já se encontrava emancipada de Blumenau 18 anos.
Algumas imagens das duas primeiras décadas de Rio do Sul independente - Rio do Sul com o cenário do menino e do jovem Nelson Tomio.
Fotografia destacada por Luiz Carlos Henkels do antigamente Rio do Sul - Estação Ferroviária em 1935 - observar o entorno da mesma, onde perguntamos a Nelson Tomio sobre ele - na entrevista.

Observar que mesmo a ponte em obras, esta era usada. Era usada parte da ponte antiga (que era uma linda ponte treliçada de madeira - ou construída com a técnica construtiva do enxaimel) preenche o vão faltante.
A ponte Velha





A cidade de Rio do Sul, onde nasceu Nelson Tomio, tem uma história com a idade menor que 90 anos - data que foi desmembrada de Blumenau - portanto uma história muito recente e a paisagem deveria ter muitos destes ícones em si. Sua população atual é de aproximadamente 70 mil habitantes.

Continuando...

Nelson Tomio começou a trabalhar com 12 anos de idade como cobrador de ônibus na Expresso Mirim Doce - na época da região de Pouso Redondo. Isso aconteceu no ano de 1961. Depois deste tempo, trabalhou na Empresa de Ônibus da Expresso Taioense como fiscal - foi seu segundo emprego e empregador.
Fizemos uma fotografia sua no momento desta entrevista, no Terminal Rodoviário de Rio do Sul ao lado de um ônibus da Expresso Taioense.

Nelson Tomio nos contou que haviam muitas filas de pessoas para embarcar nos ônibus e o Terminal Rodoviário tinha muito movimento de pessoas. 
Local do antigo Terminal Rodoviário de Rio do Sul
Na cidade de Rio do Sul, o Terminal Rodoviário estava localizado no mesmo local onde atualmente está o terminal de passageiros de transporte coletivo público, então funcionava muito pertinho da Estação Ferroviária que passava ser preterida, porque o transporte rodoviário era mais rápido. Isso fazia parte dos planos, que deram certo e teve como consequência, a erradicação da ferrovia  EFSC da paisagem. Nelson acompanhou todo esse processo e disse que a tristeza era grande na comunidade de Rio do Sul, quando aconteceu a última viagem do trem no dia 12 de março de 1971.

Nelson Tomio começou a trabalhar na Estação Rodoviária, na movimentada Estação Rodoviária de Rio do Sul, no momento em que as pessoas optavam pelo transporte público rodoviário em detrimento do ferroviário e nem se davam conta de que, havia uma "manipulação" por trás disto. A predeterminação em sucatear o modal ferroviário não somente na região, mas no país, pretendia deixar o caminho  livre para à indústria automobilística e o modal adotado pelo governo brasileiro, a partir de então, o rodoviário. Enquanto isto, em outros lugares do mundo, atualizavam a tecnologia dos muitos modais, do ferroviário ao fluvial, cicloviário, rodoviário - com muito espaço para o pedestre. Ofertando as opções para todos os tipos e funcionavam integrados entre si.
Nelson lamentou a erradicação da EFSC em 1971. 
Nelson Tomio,  de fiscal começou a trabalhar de motorista na empresa Taioense e ocupou esta função por dois anos fazendo a linha entre Taió e Rio do Sul e também, a linha de Mirim Doce e Rio do Sul. Disse-nos que o trem ia até  Trombudo Central e era um espetáculo quando seu ônibus passava perto da ferrovia EFSC e um trem  estava rodando na mesma, próxima a rodovia.

Disse-nos também, que o trem era algo que tinha somente pontos positivos. Muitos jovens se deslocavam de Trombudo Central e de Agronômica  de trem, para estudar em Rio do Sul.
Após dois anos de atividade profissional como motorista, Nelson Tomio foi trabalhar na Agência Rodoviária de Rio do Sul - ano de 1964, quando teve sua carteira registrada, e foi onde se aposentou 35 anos depois. O edifício da Estação Rodoviária de Rio do Sul mudou - há aproximadamente 10 anos, mas Nelson Tomio não deixou de trabalhar.
Comentou conosco o que mudou, em uma entrevista feita em um vídeo.
Na sequencia imagens e o vídeo, que comunicam.
Atual Estação ferroviária de Rio do Sul SC
Atual Estação ferroviária de Rio do Sul SC
Atual Estação ferroviária de Rio do Sul SC

Atual Estação Ferroviária de Rio do Sul SC
Na atual Estação Ferroviária de Rio do Sul SC














Nelson Tomio no Guichê - trabalho voluntário

Terminal Rodoviário de Rio do Sul SC - Atual















Entrevista em Vídeo


Indas e vindas, encontros e desencontros, abraços de despedidas, de chegadas e de partidas.

Terminal de passageiros